• Letícia Frasão

Empresas do futuro: a transformação digital e inovação em um novo mundo de negócios.

Atualizado: Set 2

A maioria das empresas mais valiosas de hoje são da área de tecnologia. Uma delas ultrapassou US$ 1 trilhão em valor. Não é preciso ser uma empresa de tecnologia para fazer transformação digital e inovação no seu negócio, porém é necessário ter uma cultura digital.


A transformação digital e a mudança na forma de consumo


Entenda que a competição mudou. As tecnologias mudaram a forma de consumo e sua empresa tem muito mais com o que lidar, além dos concorrentes.


Se antes as empresas industriais se concentravam na gestão de produtos e nas vendas, hoje sabem que precisam focar em toda a jornada do cliente. É em torno do cliente que gira o seu negócio e você pode utilizar a transformação digital ao seu favor.


Um exemplo de produto indispensável hoje, como cadeados e fechaduras, pode desaparecer como um passe de mágica em um futuro muito próximo.


O Lockitron, por exemplo, é um pequeno aparelho que funciona por meio de uma conexão Wi-fi e pode ser instalado logo acima da fechadura da porta. Ele permite abrir ou fechar a tranca diretamente do seu smartphone, de onde quer que você esteja.


Isso resolve imediatamente o problema de chaves perdidas. Não será preciso chamar um chaveiro em uma necessidade. Você passa a deixar de comprar cadeados e fechaduras e, simples assim, sua forma de consumo muda.


Tendências de negócios a partir da transformação digital e inovação


Inteligência artificial utilizada em larga escala. Ecossistemas de negócios sem fronteiras entre concorrentes, colaboradores, produtores e consumidores. Surgimento de oportunidades para se diferenciar em um mercado competitivo. São algumas das vantagens trazidas pela transformação digital.


A transformação digital e inovação trazem melhorias nos atuais negócios de sua empresa e oportunidades de novos negócios, dentro do mesmo segmento de atuação.


Um exemplo de implementação de novos modelos de negócios e melhoria dos atuais é a mudança para empresa omnichanel, onde o consumidor da loja virtual possui a mesma segurança de compra da loja física. Sim, isso é possível e cito duas empresas que fazem isso muito bem: Magazine Luiza e Leroy Merlin.


Em ambas as empresas, a segurança na compra do cliente foi melhorada em suas lojas físicas e garantiram o marketing humanizado nos canais virtuais. Com entregas rápidas e automações personalizadas, o consumidor tem a opção de comprar visitando uma loja física ou na loja virtual, sem distinção de qual canal é a opção mais segura e viável.


Não há transformação digital e inovação sem novos modelos de gestão


Para quem já começou a transformação digital na empresa, é necessário entender que precisam reinventar o seu negócio de forma a garantir seu lugar no mercado corporativo. Os líderes também precisam deixar para trás aqueles velhos e ultrapassados modelos de gestão, onde um manda e o outro obedece.


O impacto da tecnologia na sociedade é cada vez maior. Os líderes devem garantir que seu negócio crie valor social e econômico. Não adianta transformação digital sem uma cultura consciente na sua organização. Sua empresa pode até fazer sucesso no início, mas sem um propósito definido, ela não se manterá ativa por muito tempo.


Uma liderança participativa e diversa é capaz de criar um ambiente propício a novas ideias, com transparência na comunicação e estímulo ao intraempreendedorismo. É preciso mudar a filosofia da geração da internet, de que a verdadeira segurança é trabalhar para si mesmo. Como é possível? Garantindo que o gestor tenha as seguintes ações:


  • orientar e desenvolver equipes para dar apoio a novos modelos de negócios e novas experiências do cliente;

  • redesenhar cargos e funções de acordo com as tecnologias disponíveis e com a capacitação das pessoas;

  • promover o crescimento das pessoas, reinvestindo o que for economizado na força de trabalho do futuro;

  • permitir que os colaboradores tenham liberdade para atuar no processo de inovação, afinal, tecnologia sem inclusão não há inovação;

  • criar processos flexíveis e embutir líderes em todos os níveis, isso ajudará a levar as pessoas a novos modelos de crescimento da organização.


Um gestor deve se manter atualizado, mas não só em relação à transformação digital. É preciso acompanhar as mudanças sociais e políticas, que estão transformando cada vez mais os negócios. É necessário compreender e se posicionar melhor.



Transformação digital molda a forma de trabalho


Tivemos uma adesão em massa do modelo de trabalho home office por parte das empresas após o início do período de quarentena e isolamento social. Outras já nasceram operando em um sistema totalmente officeless, como é o caso do Grupo Anga e de todas as empresas que compõem a holding.


Isso só foi possível graças à tecnologia. Mas por que não tivemos essa adesão antes? Qual a dificuldade em aceitar que a transformação digital e a inovação podem também funcionar a favor dos colaboradores e de melhores formas de trabalho?


Por isso, é fundamental que a tecnologia seja usada, com equilíbrio entre pessoas e máquinas, para aprender a se adaptar na produção do seu negócio, adaptar processos e escalabilizar formas de trabalho. Tanto os locais de trabalho como os fluxos de trabalho precisarão ser desenhados para fazer pessoas e máquinas trabalharem juntos.


As empresas devem tirar o futuro do papel


Para identificar ameaças e oportunidades no mundo digital, é preciso estar de fato inserido nele. “Não se faz transformação digital com algumas iniciativas digitais e alguns investimentos em tecnologia. Contratar uma agência de marketing digital, estar presente nas redes sociais ou desenvolver uma operação de ecommerce são passos necessários, mas eles fracassam caso não exista uma cultura digital sobre a qual essas iniciativas possam ser estruturadas.” disse Eduardo Terra, Presidente da Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo, em entrevista à Revista HSM Management.


É necessário criar um senso de urgência para realizar a transformação digital e a inovação na sua empresa. Quanto mais cedo passar por esses processos, mais aumentará o sucesso da sua organização.


Letícia Frasão


Head de Inbound Marketing na Qura Editora, que possui em seu portfólio duas importantes revistas no cenário de negócios do país: a HSM Management e a MIT Sloan Review Brasil. Além disso, Letícia possui clientes em inbound nas áreas de e-commerce e marketing jurídico. Também realiza consultorias de marketing digital para empreendedores e agências de publicidade no Nordeste.

32 visualizações

© 2020 por Caixa Amarela.